Demônio (“Devil”, EUA, 2010) ***NOS CINEMAS***

Genre : ,

Às vezes saber quando tirar o time de campo é uma virtude. Depois de ter dirigido filmes fracos como “Fim dos Tempos” e “O Último Mestre do Ar“, M. Night Shyamalan que já foi tido como rei do suspense após “Sexto Sentido“, preferiu ficar apenas como roteirista e produtor. Abriu a produtora Night Chronicles e escreveu vários contos para dar nas mãos de jovens diretores talentosos. E acertou em cheio logo no primeiro.

Pegou John Erick Dowdle, responsável por “Quarentena” para dirigir esse terror sobre cinco pessoas presas num elevador. Uma delas é o demônio. E vai matar quem se meter no caminho. Pode parecer simples, mas Shyamalan imprime uma verdadeira caça ao, digamos, suspeito, promovida pelo policial atormentado alçado a herói Detetive Bowden (Chris Messina de “Julie & Julia“). O roteiro espalha várias pistas só para, no final, a gente descobrir a grande reviravolta, mesmo que o espectador tenha que engolir alguns pequenos furos na narrativa.

Além da trama competente que nos prende no elevador (sem trocadilhos), os aspectos técnicos foram muito bem trabalhados. Desde a trilha sonora que premedita a tragédia do ótimo Fernando Velázquez (“O Orfanato“), a qual também lembra muito o perfeito “A Origem“, até a fotografia apavorante Tak Fujimoto que já trabalhou com Shyamalan em “Fim dos Tempos“. Destaque para o início mostrando de forma original a cidade de cabeça pra baixo e focando numa ponte que faz referência a uma cruz invertida. A montagem muito bem elaborada vai fazer a platéia dar alguns pulos de susto. E ainda acertam na revelação e aparição do demônio. Dura o tempo exato pra não se tornar caricato. E ainda tem a reviravolta da reviravolta.

Demônio” é a prova cabal de que um filme de terror não precisa de nada tão superlativo para ser excelente. Apenas de uma história bem contada, personagens e situações críveis, produção bem cuidada… e é claro, um M. Night Shyamalan escrevendo também ajuda.

[rating:4]


Ficha Técnica

Elenco:
Chris Messina
Logan Marshall-Green
Jenny O’Hara
Bojana Novakovic
Bokeem Woodbine
Geoffrey Arend
Jacob Vargas
Matt Craven
Joshua Peace

Direção:
John E. Dowdle

Produção:
Sam Mercer
M. Night Shyamalan

Fotografia:
Tak Fujimoto

Trilha Sonora:
Fernando Velázquez

 

3 Comments

Leave us a comment

  • silvio3611
    on

    filme muito bom, tem até umas pitadas de terrir, com o vigia mexicano impagável.

  • Clayton
    on

    M. Night Shyamalan, compreendo o peso sobre as costas do cidadão, deve absurdamente difícil começar sua filmografia justamente por sua maior obra. E realmente, depois de descer a ladeira parece que está voltando ao eixo. Sem muito estardalhaço, Demônio entrega o que promete potencializado pelo fato de utilizar o mínimo de grandes efeitos e focar mais nas atuações e aspectos técnicos comuns (como a trilha sonora que se destaca toda vez que ocorre mais um “ataque”, somado ao pânico causado pelo apagar das luzes). Embora realmente tenha que se “engolir” alguns fatos (exemplo, a descida do rapaz da manutenção pelo último andar em um equipamente longe de estar apropriado para a função), o filme parece-me bastante coeso e de acordo com o que se propõe. Se por um lado parece caricato o papel do vigia mexicano, por outro ele dá a grande contribuição do filme com a frase “ele (o demo) não escala ninguém por acaso, estamos aqui por algum motivo”. Em todos os filmes que colocam a presença do bem e do mal em pessoa, bebem em alguma fonte religiosa, e estas sempre se utilizam de um guia (o próprio mexicano), o demônio (surpresa, mas dá pra saber por uma pequenha traquinagem que ele faz) e o alvo de redenção, redenção esta que somente pode ser alcançada pelo sacrifício (vide Constantine), no caso, alvos. E estes nos adequam ao que seria crível em uma situação tão incomum, o que faz com o filme não descambe para um “terrir” sem graça, mantendo-o dentro do suspense bem implícito característico de M. Night Shyamalan. Vamos aguardar o próximo da safra, eu quero mais.

  • saullo
    on

    ta cheio de spoler aqui!!

    cara…entao o problema deve estar mesmo comigo…pq nao achei nada de mais nesse filme, quer dizer, pra falar a verdade, achei mesmo foi uma grande de uma bosta.

    vamos ver os pontos fortes:…deixa ver…a cidade de cabeça pra baixo…sim, cena interessante, deixa ver mais…véi..juro que estou tentando lembrar de algo de diferente neste filme, algo que mereça 4 estrelas…mas ta cruel…mas perae que vou tentar lembrar aqui…os momentos de escuridao no elevador, tae bons momentos de suspense…pronto, acaba ae tudo o que esse filmeco teve de bom.

    agora vamos comentar as porcarias do filme: o super caricato mexicano que nao sei de onde ele sabia tanta coisa sobre o capeta, coisas que nao existem na biblia e nem na igreja catolica (ele rezou ave maria, entao deveria ser catolico), entao, se o que ele sabia era algo “cultural”, quer dizer entao que o capeta só ataca o mexico?

    mermao, o cara sabia detalhes de tudo, do começo ao fim o cara ia narrando o proximo passo do capeta (dá até pra tirar conclusoes de como o capeta é sem criatividade, já que dava pra ver que ele sempre fazia a mesma coisa do mesmo jeito).

    outro ponto, deixa ver, esse mesmo mexicano começou a falar um monte de coisas sobre o capeta so pq o elevador travou e apareceu a cara do fred krueger…taqueopariu.

    e pelo visto essa empresa de segurança tinha serios problemas mesmo com funcionario como o cara disse “por isso que ela faliu), o velho doido, vendo a porra de um fio descapadp, soltando faiscas e dentro de um poça d’agua, acha de levar esse fio com um pedacinho de pau, colocá-lo em um prego torto na parede e mete o pé na água….cara…o que aconteceu era muuuuuuuuuuuuito de se esperar!! engraçado que ele apareceu do nada no meio do salao so pra acabar de morrer.

    ta,agora vamos para os “pecados”: um ex ladrao, uma maria gasolina (imagina se o capeta aparecesse pra toda mulher que tenta dar o golpe do bau em alguém…ia faltar capeta no inferno), ae tem um mané que fugiu de uma cena de acidente…mermao o cara assume o erro, de boa, mas…veeeeeeeei, do nada ele pede pra ficar no lugar da mina que está morrendo…e fala de forma beeeem sincera…tipo…entenderia se fosse so pra enganar o capeta, mas era de verdade…onde que alguém pediria para o capeta “me leva, mas deixa viver essa mulher ae que eu nem conhece e que acabou de tentar me matar”? fala serio!!

    cara, eu sabia que o capeta era a véia desde o começo, era o que menos tinha chance de ser, entao era logico que era ela…tipo…até pq o que a impossibilitaria de matar alguém seria sua forma fisica, mas…será que isso importa pro demonio?

    a unica surpresa do filme, que foi tosca até, foi o policial ser o pai da familia destruida pelo cara que estava no elevador, cara que, por outra coincidencia tinha escondido as ferramentas no banheiro, justamente pra pensarmos (realmente nao sei quem acreditaria nisso) que ele era o culpado por parar o elevador.

    muleki..eu fico muito triste por ter que falar isso, até pq eu sou um grande fã do M. Night Shyamalan, acho que pelo sexto sentido e a vila, mas..POUTA QUE PARIU M. Night Shyamalan, VAI TOMÁ NO C…!! QUE FILME DE M….!!

    poderia passar a tarde toda comentando erros do filme, mas tow com preguiça de escrever!

    abraço, Aldo!

    fazia tempo que eu nao comentava nada aqui ^^

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑