Garota Sombria Caminha pela Noite (“A Girl Walks Home Alone at Night”)

A cineasta britânica Ana Lily Amirpour fez o mediano “Amores Canibais” em 2016, mas antes desse filme ela chegou a nos presentar com uma agradável surpresa direto da terra de seus pais, o Irã, e baseado num de seus primeiros curtas.

Filmado todo em preto e branco, a produção é uma espécie de western vampiresco passado numa fictícia cidade cujo nome já diz bastante, Bad City (Cidade do Mal), povoado por gente do mais questionável caráter, entre traficantes, viciados, prostitutas, patricinhas fúteis e ambiciosas. Nessa atmosfera sombria por si só, uma garota vampira (Sheila Vand de “Uma Repórter em Apuros”) circula pela noite fazendo vítimas de acordo com seu próprio senso de justiça. Até que ela encontra Arash (Arash Marandi de “Sob a Sombra”) que talvez seja o personagem com menos conflitos éticos daqueles que orbitam a narrativa, mas longe de ser um mocinho e vivendo uma vida tão descrente quanto os demais. Então eles começam uma estranha e peculiar relação.

Sem nenhum efeito especial, a produção cria sua tensão através de jogo de luzes onde o preto e branco funciona como um ótimo porta retrato para eventos e emoções que as cenas precisam passar, além de criar uma fotografia bela no meio de um lugar tão degradado.

Outro ponto positivo é o contraste da protagonista frente ao papel que desempenha: por ser de constituição magra e baixa, inicialmente sua força é subestimada até que se mostra como vampira. Por outro lado, o conflito emocional da personagem que também é carente de companhia desenha um arco de história que se torna mais interessante quando cruza com Arash, além da dinâmica que estabelece com os demais coadjuvantes.

Mesmo sem um clímax – para o qual há uma construção, mas estranhamente é abandonado – o desfecho é tão subjetivo quanto inesperado dentro do contexto.

Garota Sombria Caminha Pela Noite” é uma fábula de vampiros com abordagem artística e história poética de amor e preenchimento de um vazio onde o confronto entre o bem e o mal foi substituído pelo mal e o melhor mal.

Curiosidades:

– A diretora Ana Lily Amirpour faz uma ponta no filma como a garota fantasiada de caveira na festa à fantasia.
– Sheila Vand foi escolhida também pela semelhança física com a diretora que imaginava a personagem principal como seu próprio alter ego.
– A diretora é a dublê de Vand nas cenas de skate. Ana Lily Amirpour anda de skate desde criança.
– O gato não estava no scritp, mas a diretora gostou tanto dele que resolveu escrever as cenas com ele, inclusive uma das principais próximo ao final.
– Apesar do filme se passar no Irã, as filmagens foram na Califórnia – EUA. Todos os artistas iranianos foram levados aos EUA para o filme.
– O visual do cafetão foi inspirado no cantor Ninja (V) da dupla sul-africana Die Antwoord.
– Depois do filme, a diretora se uniu com um quadrinista e desenvolveu uma HQ que conta mais da história da garota sombria e Bad City.
– Os posters no quarto da garota sombria envolvem ícones pop como Bee Gees, Madonna e Michael Jackson. Entretanto percebe-se que os da Madonna e Michael Jackson foram criados por cosplays que pousaram exatamente como nos originais.
– Também há um poster pequeno de uma mulher segurando uma lâmpada. É a diretora Ana Lily Amirpour.

Ficha Técnica

Elenco:
Sheila Vand
Arash Marandi
Marshall Manesh
Mozhan Marnò
Dominic Rains
Rome Shadanloo
Milad Eghbali
Reza Sixo Safai
Ray Haratian
Ana Lily Amirpour
Pej Vahdat

Direção:
Ana Lily Amirpour

Produção:
Justin Begnaud
Chris Maleki
Sina Sayyah

Fotografia:
Lyle Vincent

Trilha Sonora:
Bei Ru

 

No Comments

Leave us a comment

No comment posted yet.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑