Jovens, Loucos e Mais Rebeldes (“Everybody Wants Some!!”)

O cineasta Richard Linklater já disse uma vez que todos os seus filmes carregam um pouco de sua experiência de vida e por isso tem vínculos entre sim. Abertamente “Jovens, Loucos e Mais Rebeldes” é uma continuação “espiritual” de um de seu primeiros filmes “Jovens, Loucos e Rebeldes” de 1993. Enquanto o primeiro cronologicamente falando fala das desventuras de jovens na escola em 1976, este aborda o mesmo tema, mas para aqueles que vão para faculdade em 1980 (repararam o link temporal?), focando – mas não se detendo – em Jake (Blake Jenner ator desconhecido como quase todo o resto do elenco), que passa a morar com o time de beisebol dias antes das aulas começarem.

Só que, ao contrário da esmagador maioria das histórias que tem uma linha dramática e inevitavelmente um conflito a resolver, esta simplesmente fala sobre a transição para a década de 80, sobre todas as referências de moda, musicais, cinematográficas e literárias da época, bem como o comportamento dos jovens de todos os nichos. É como uma espécie de documentário fictício, visto pelos olhos de um grupo de rapazes cujo fio condutor é Jake. Então propositalmente temos nossos heróis indo para os mais diferentes tipos de festa: disco, country, punk rock em seu nascimento e até mesmo com temática que já mostra as consequências da geração Woodstock, tudo embalado por uma trilha sensacional que é quase um personagem do filme, indo de Sugarhill Gang e ZZ Top, passando por Blondie e Brian Eno, até Kool & The Gang, Donna Summer, Queen, Pink Floyd e Devo!

Tudo é discutido de maneira natural pelo grupo de jovens e com muito bom humor: as ambições e o sentido existencial de cada um em relação a outros grupos, a promiscuidade da época e o sentimento real (algo que na figura de Jake tem grande força a partir do terceiro ato), mas principalmente os laços de amizade que se fazem durante a época de faculdade.

O elenco está muito à vontade, é engraçadíssimo nos momentos certos com o diretor dando espaço para a expressão de todos com direito a uma cena pós créditos sensacional onde o elenco atravessa a quarta parede cantando para o espectador de forma muito bem elaborada.

Jovens, Loucos e Mais Rebeldes” é muito mais que uma história, mas um retrato de uma época numa visão positivista sem tirar o pé da realidade e que cativa pelo elenco e direção. Uma aula de história e cinema.

Curiosidades:
– O fato do título em português do filme de 1993 ser Jovens Loucos e Rebeldes, e do de 2016 ser Jovens Loucos e Mais Rebeldes, denota uma óbvia continuação, mas na verdade os títulos originais não tem nenhum link entre si: Dazzled and Cunfused (1993) e Everybody Wants Some!! (2016). O marketing brasileiro veio com aquele título em português depois que o cineasta Richard Linklater atestou que o último é uma continuação espiritual do primeiro.
– O filme também é continuação de “Boyhood: Da infância à Juventude” no sentido em que este termina na fase da vida do jovem quando Jovens Loucos e Mais Rebeldes começa.
– Algumas outras referências da época: o livros Cosmos de Carl Sagan, a série Além da Imaginação, entre outros.

Ficha Técnica

Elenco:
Blake Jenner
Juston Street
Ryan Guzman
Tyler Hoechlin
Wyatt Russell
Glen Powell
Temple Baker
J. Quinton Johnson
Will Brittain
Zoey Deutch
Sophia Taylor Ali
Austin Amelio
Tanner Kalina
Forrest Vickery
Jonathan Breck

Direção:
Richard Linklater

Produção:
Megan Ellison
Richard Linklater
Ginger Sledge

Fotografia:
Shane F. Kelly

 

No Comments

Leave us a comment

No comment posted yet.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑