O Homem Duplicado (“Enemy”)

Genre :
Actor :
Director :
Country : ,
Release Date : 2014

Em 2014, dois filmes parecidos, mas com abordagens bem diferentes foram feitos e ambos são excelentes: um é “O Duplo” baseado na obra de Dostoevsky e o outro é este “O Homem Duplicado”, baseado no livro de José Saramago que muito provavelmente se inspirou em Dostoevsky.

Aqui o diretor Denis Villeneuve volta a trabalhar com Jake Gyllenhaal, ambos de “Os Suspeitos”. O ator é Adam, um professor depressivo que vive uma relação distante com Mary (Mélanie Laurent de “Truque de Mestre”). Um dia ele assiste um filme e vê um figurante igual a ele, o que o surpreende. Indo atrás do indivíduo ele descobre Anthony (o próprio Gyllenhaal), um ator de quinta categoria mas que vive confortavelmente num flat com a esposa grávida Helen (Sarah Gadon de “Relação Mortal” sempre linda). Anthony é o oposto de Adam: ousado e cheio de atitude. Quando os dois se encontram, ambos ficam intrigados com a semelhança e, mesmo tentando se afastar um do outro, seus ímpetos os levarão a consequências inimagináveis.

Primeiramente é importante salientar o quão essencial é a visão de um diretor. Uma história que poderia se posicionada como um drama é imposta por Villeneuve como um tenso suspense numa variante estética que rivaliza com os melhores trabalhos oitentistas de Brian de Palma. A paleta bege depressiva em consonância com a personalidade de Adam e o cenário mais clean que representa Anthony são muito bem mesclados pela fotografia de Nicolas Bolduc (“Outlander: Guerreiro vs. Predador”). Isso se combina à trilha da dupla Saunder Jurriaans e Danny Bensi (“Martha Marcy May Marlene”) e dá uma atmosfera densa e claustrofóbica à trama.

Ainda assim, ficam as perguntas: Os dois são a mesma pessoa? O que são as aranhas recorrentes que aparecem na narrativa, principalmente em seu desfecho? A resposta para essas perguntas suscitam outras dúvidas e o final abrupto pode frustrar o espectador menos atento. Porém há algumas cenas chave, como o diálogo que Adam tem com a sua mãe (Isabella Rossellini de “O Amor Não Tem Fim”) que praticamente dão a resposta, quando ela fala de um antigo sonho de Adam.

Essas e outras perguntas vou procurar responder logo abaixo desta crítica. Para evitar spoilers, você deve selecionar com o mouse o texto para ler.

Gyllenhaal interpreta seus personagens com honestidade e a discrição necessária evitando maneirismos e exageros e dando o tom certo ao seu personagem. “O Homem Duplicado” merece ser apreciado com atenção porque harmoniza elementos estéticos e narrativos onde um complementa o outro e acaba por montar o misterioso quebra cabeças.

Atenção: essas respostas são o meu entendimento, o qual pode ou não está correto.

1) Adam e Anthony são a mesma pessoa?

R: Certamente sim. Quando a mãe de Adam – que é professor – diz que ele deveria para com esse sonho de ser ator, pois nunca ficará famoso, fica claro que foi ele mesmo o personagem do filme que viu, isto é, seu alter ego. Quando ela fala que ele tem uma boa esposa, está falando de Helen e não de Mary. E quando por telefone, ela cita um novo apartamento vazio, é justamente aquele em que ele tem seus encontros com Mary. E o mistério se fecha quando Helen pergunta a Adam (se fazendo passar por Anthony) como havia sido o dia na faculdade. Acontece que sua depressão com o rumo que sua vida tomou deve tê-lo levado a criar uma realidade alternativa em ambas as personalidades. Após o acidente que “mata” seu alter ego, ele acaba aceitando seu destino, mas com resquícios de uma nova válvula de escape quando acha a chave daquele clube erótico visto logo na primeira cena.

2) (Pergunta que revela parte da trama, portanto passe o mouse para vê-la também): Mas se os dois são a mesma pessoa como Mary reclama com Anthony quando este se passa por Adam sobre a aliança que ela nunca tinha visto em sua mão?

R: Essa talvez é a grande sacada do filme. Não há comprovação nenhuma de que Mary seja real. Perceba que ela não interage com mais ninguém na trama, a não seu Adam/Anthony. Mesmo quando ela supostamente vai ao trabalho é sempre sob a visão do protagonista. E ela visita Adam de noite e vai embora logo pela manhã. O fato de ela ser um fruto da imaginação de Adam como sua esposa / amante de Anthony explicaria que ela própria via o personagem como duas pessoas diferentes (com e sem a marca da aliança no dedo). O episódio da briga, seguida do acidente seria a forma da mente de Adam se livrar de seu alter ego, voltando para sua vida “normal”. Mas e a rádio anunciando um acidente na noite anterior? A rádio pode estar anunciando qualquer acidente, isto é, o acidente em si também pode não ter acontecido.

3) E o que diabo são aquelas aranhas?

R: Eu já tinha minhas suspeitas (o que não era nada do outro mundo) e apenas confirmei com algumas pessoas que também viram o filme. Nada mais é que o medo que ele tem da figura feminina claramente dominante em Adam. E este acaba sendo parte do motivo da “criação” do alter ego Anthony. Por isso o aracnídeo vem como uma visão de um monstro andando pela cidade, ou substituindo a cabeça de uma mulher que passa ao corredor, ou finalmente na última cena como se Adam estivesse mais uma vez encarando a vida do jeito que ela é.

Ficha Técnica

Elenco:
Jake Gyllenhaal
Mélanie Laurent
Sarah Gadon
Isabella Rossellini
Joshua Peace
Tim Post
Kedar Brown
Darryl Dinn

Direção:
Denis Villeneuve

Produção:
M.A. Faura
Niv Fichman

Fotografia:
Nicolas Bolduc

Trilha Sonora:
Danny Bensi
Saunder Jurriaans

 

1 Comment

Leave us a comment

  • Clayton
    on

    Tem filmes que você assiste e no final diz “Que p… é essa?!”. Esse é um desses. E fiquei pensando ” É Jake Gyllenhaal, e ele geralmente se recusa a filmar bobagens, tem recursos, com certeza tem algo que não estou enxergando…” Aí, qual o primeiro caractere que sobe quando termina o filme? ” Baseado na obra de José Saramago”. Aaaaaaaaaaaaaah! já sei o porquê da aranha!!! Então revi o filme e cheguei as mesmas conclusões, mas que só se encaixam se outra personagem for fictícia. Vai ter a turma do odeio esse filme e do adoro esse filme, eu faço parte dos 2% que acham que faltou algo, mas que também não sabem responder o quê. Gyllenhaal ensina como fazer duas pessoas diferentes sem os maneirismos comuns para quem tentar dar uma diferença física a dois personagens, quando se é muito mais valoroso para um ator ressaltar diferenças comportamentais. Ah, para a turma que ficou procurando pistas… Já pensaram no porquê do nada o colega de faculdade de Adam lhe sugere um filme do nada?

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑