Bullying – Provocações Sem Limites (“Bullying”, Espanha, 2009)

Genre : ,

Um dos grandes problemas no ambiente escolar atual é o bullying: atos de violência física e psicológica intencionais e repetidas vezes, praticados por um ou vários indivíduos para agredir ou intimidar outro indivíduo. Por incrível que pareça os países mais desenvolvidos são os que mais sofrem com o problema. Daí o cineasta espanhol Josetxo San Mateo quis fazer um filme sobre o tema. Meteu os pés pelas mãos.

Jordi é um aluno que tem cara de nerd, é bom nas matérias e joga basquete muito bem. Chega ao novo colégio e encontra um moleque que mais parece um psicopata e do nada e faz a vida do protagonista um inferno. Ele esconde isso de todos e ainda tem que cuidar da sua mãe, uma recém viúva.

O problema que a produção já começa sem tato algum, jogando a trama na cara do espectador sem o mínimo desenvolvimento dos personagens. Tanto o roteiro quanto a atuação dos artistas não são suficientes pra fazer o público engolir todo o tormento que eles passam. Fora o gritante fato que aquela escola parece não ter aluno nenhum, já que a gangue do mal pinta e borda em cima do pobre Jordi e ninguém vê absolutamente nada em momento algum e sequer desconfiam da situação. Sem dizer que a situação seria completamente inverossímil, a evolução dos fatos parece ter uma combinação peculiar demais para representar uma realidade do dia a dia.

Burocrático, episódico e esquemático, “Bullying“, apesar de ter um tema instigante, não consegue fazer o espectador gravitar em cima de sua narrativa, deixando aquele gostinho tedioso na boca. Preferível ler sobre o tema do que ver esse filme.

[rating:2]


Ficha Técnica

Elenco:
Nadeska Abreo
Marcos Aguilera
Osvaldo Ayre
Felipe Bravo
Albert Carbó
Daniel Casadellà
Yohana Cobo

Direção:
Josetxo San Mateo

Produção:
josé L. García Arrojo

Fotografia:
Núria Roldos

 

2 Comments

Leave us a comment

  • Fabiana
    on

    Desculpe, discordar. Não penso que o diretor meteu os pés pelas mãos. Primeiro nenhum filme conseguiria abarcar todas as nuances que o tema merece, segundo que em muitas escolas com vários alunos, em muitas, posso afirmar porque tenho uma proximidade com as escolas, tudo isso ainda passa desapercebido. Ressalto ainda que o diretor foi feliz por dar seriedade a altura que o tema merece. Ademais o filme, em minha opinião superou a visão romantica ao abordar assuntos. Não sou uma entendida quanto as técnicas de direção e cenas, mas ainda sendo uma estudiosa do assunto, digo que vale muito a pena em ver o filme, e também ler, mas o segundo não inviabiliza o primeiro.

  • Julya
    on

    Concordo com você Fabiana! Se fosse uma produção americana, ou uma ficcção com uma mega produção e um final água com acucar, talvez ele faria uma ótima avaliação.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑