Fim da Humanidade (“Exit Humanity”)

Genre :
Actor : ,
Director :
Country :
Release Date : 2011

O problema da moda é que qualquer um quer embarcar nela. Agora que os zumbis estão em voga, o cinema também arremessa bolas de lodo como essa produção de última categoria. Situada na Guerra da Secessão americana, ocorre um surto de zumbis e Edward (o desconhecido Mark Gibson) perde toda a família e ainda deve ficar vagando enfrentando zumbis, tentando achar uma cura para a epidemia e ainda se defrontando com general maluco (o igualmente maluco Bill Moseley de “Massacre da Serra Elétrica 3D”).

Além da produção ser literalmente um porre, onde nada acontece e até os zumbis parecem estar com tédio de existirem, a verba foi tão curta que, ao invés de se ter o mínimo de efeitos especiais, os realizadores apelam para animações até que estilosas, mas totalmente dispensáveis para descrever determinadas cenas, como mortes de zumbis mais elaboradas.

E se todo castigo pra cinéfilo é pouco, o diretor John Geddes que tem no seu currículo outro desastre chamado “Scarce” esticou o bomba para se ter quase duas horas. A única garantia de “Fim da Humanidade” é que quem chegar a ver o filme até o final, já pode se considerar um zumbi.

Ficha Técnica

Elenco:
Brian Cox
Mark Gibson
Dee Wallace
Bill Moseley
Stephen McHattie
Jordan Hayes
Adam Seybold
Ari Millen
Jason David Brown
Sarah Stunt
Christian Martyn

Direção:
John Geddes

Produção:
Bruce Anderson

Fotografia:
Renato Falcao

Trilha Sonora:
John Powell

 

8 Comments

Leave us a comment

  • eduardo brinck
    on

    Na boa, sua qualificação como critico é simplesmente debil, assista alguns filmes do gênero antes de fazer uma crítica descabivel como esse. Realmente fico me perguntando o que classifica uma pessoa como bom critico? O fato de assistir 20 minutos de varios filmes ou a incapacidade de criar argumentos cabiveis para justificar que não gostou do filme? Aposto que deve ter gostado de 50 tons de cinza, isso se conseguiu assistir ate o fim….

    • Aldo
      on

      Caro Eduardo,
      Achei muito interessante a sua escrita. Gostei muito do fato da expressão “Na boa” estar na mesma frase da palavra “débil” (ah, esses acentos…). Se essa é sua lógica de escrita, não me surpreende a sua lógica para gostar ou não de filmes. Ao contrário de você, respeito a sua opinião. Só não respeito a sua ofensa.
      Então vou usar as suas palavras: Na boa, você é um completo imbecil.
      Ah para ler a minha crítica de 50 Tons de Cinza, basta fazer uma busca pelo site. Quem sabe você se surpreende. Mas na boa, tá?

  • eduardo brinck
    on

    Significados de Débil :
    1. Débil
    Fraco, vulnerável, alguma coisa fraca
    Me surpreende um “crítico” que diz respeitar a opinião alheia reagir de forma tão agressiva. Em momento algum lhe insultei, apenas expressei um ponto de vista meu. Quanto a acentuação, isso é facilmente resolvido com a utilização de um teclado que não seja a do celular.

    • Aldo
      on

      Tá entendido. E acho que você também entendeu. Ah, e não existe mais isso de crítico hoje em dia. Crítico era o cara que falava de cinema quando os meios de comunicação era limitados. Existem pessoas com opiniões que entendem mais ou entendem menos de cinema. Toda opinião é válida. Tem gente que sabe expressar suas opiniões bem e outras mal, alguns com base e outros sem base alguma. Apenas tenho um blog de cinema e entendo que vejo mais filmes que a maioria e isso acaba trazendo algum tipo de experiência para o bem ou para o mal, sabe-se lá. Por isso devemos ter cuidado ao escrever, pois o que não é insulto para um, pode ofender o outro. Recomendo reler a sua opinião quanto à minha “qualificação” e depois se por no meu lugar. Ao invés de apagar seu comentário (seria mais fácil), respondi e instiguei. Por isso a escolha das palavras é importante, independente de ir num dicionário pra provar que não é um insulto. Abs.
      A propósito, leu a crítica dos 50 Tons de Cinza?

  • eduardo brinck
    on

    Kkkk, você tem razão. Não vamos ficar fazendo disso uma guerra e me desculpe se fui grosseiro, apenas acho que o filme poderia ter tido uma critica um pouco melhor se levar-mos em consideração o orçamento medíocre, tendo em vista filmes do mesmo gênero com muito mais dinheiro e com um enredo simplesmente horrivel, acho que o diretor john geddes conseguiu contornar milagrosamente esse problema criando algo inovador para o estilo…

    • Aldo
      on

      Beleza meu brother. E fique sempre a vontade para discordar da minha opinião / crítica quando achar. Um papo saudável é o que alimenta esse blog. Abraços!

  • Neuber
    on

    Entrei neste fórum para ver opinião acerca do filme e deparo verdadeira ringue de ofensas e contra ofensas. Infelizmente não recebi informações e criticas que acredito ser objetivo deste blog

    • Aldo
      on

      Poxa, você foi escolher justo esse filme? kkkkkkk…
      Mas vamos lá, tente mais alguns. O blog é feito para uma leitura rápida mesmo e não para se dissecar o filme nos mínimos detalhes. Esse é o objetivo.
      Sobre os comentários, você tem razão. Mas tudo se resolveu. Menos mal.
      Abraços!

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑