Meu Trabalho é um Parto (“Labor Pains”, EUA, 2009)

Genre : ,

Lindsay Lohan do pavoroso “Eu Sei Quem Me Matou” começou sua carreira ainda criança. Linda e carismática tinha tudo pra deslanchar. Porém se me teu com álcool, drogas, escândalos e escolha de projetos cada vez mais de gosto duvidosos. Esta sua mais recente comédia era pra ser lançada no cinema. Mas a produção teve tantos problemas com a protagonista e acumulou tantas falhas em sua direção e roteiro que os estúdios sabiamente decidiram lançar o produto diretamente na TV americana e, aqui no Brasil, fomos obrigados e engolir o DVD nas locadoras.

Ela é uma jovem desleixada tanto no trabalho quanto na vida pessoal, quase como se a arte copiasse a vida. Prestes a ser demitida, ela inventa que está grávida para continuar no emprego e deve sustentar essa mentira, pois está lhe trazendo benefícios inesperados.

O filme inteiro é impossível de conceber. Desde a maneira ridículo como ela “evolui” na gravidez (imagina do dia pra noite ela aumentar a barriga) até o interesse amoroso por um de seus chefes (Luke Kirby, que serviu de vítima em “Halloween 8“), o qual é tão retardado quanto paspalho. O elenco é patético, se bem que não deve ser fácil interpretar idiotas facilmente enganados por uma maluca descerebrada.

Com longos 99 minutos de enganação, “Meu Trabalho é um Parto” parece ter como lição de que o crime compensa e a mentira é mesmo a melhor forma de subir na vida, até porque em momento algum vemos as qualidades tanto profissionais como pessoais da personagem principal. O trabalho de ver esse filme é, aí sim, um parto.

[rating:0.5]


Ficha Técnica

Elenco:
Lindsay Lohan
Luke Kirby
Chris Parnell
Cheryl Hines
Aaron Yoo
Bridgit Mendler
Tracee Ellis Ross
Kevin Covais
Bonnie Somerville
Creed Bratton
Janeane Garofalo

Direção:
Lara Shapiro

Produção:
Lati Grobman
Avi Lerner
Celine Rattray
Rick Schwartz

Fotografia:
Dan Stoloff

Trilha Sonora:
Andrew Hollander

 

2 Comments

Leave us a comment

  • Clayton
    on

    Carpe diem. Deve ser o mantra de Lindsay. Ela sugou toda a essência do dia e agora está no fundo do poço e cavando. Pra quem a viu de cabelos mais escuros, linda e transpirando sensualidade, apesar de estar na batuta da Disney, concorda com a frase dita em uma das reuniões sem sentido do filme “Nossa, você está um caco!”. Outros que tem inúmeras dificuldades em manter um mínimo de civilidade na vida real, buscam pelo menos permanecer com prestígio em suas atividades. O Imperador por exemplo deu a volta por cima em um clube de massa, e agora segue novamente para um grande clube europeu, ou seja, pode se vangloriar de aprontar e ainda assim estar entre os grandes contratos. Agora, Lohan, vejam só, aceita este roteiro mais raso que bunda de sapo, desmotivador para qualquer gestante, e com um elenco que está lá só para bater o ponto e ir pra casa ás 18h. A filmografia de Lindsay não é lá essas coisas, mas do que jeito que vai, logo logo chega AS BRASILEIRINHAS. Mas vamos ao filme. Sim eu assisti. Trabalho de faculdade sobre a psicologia no mundo corporativo. Eu sei, mas é verdade. E sim, o professor se arrependeu. Vou salvar alguém do filme, a única personagem de expressão e que parece levar a sério o filme: O animal de estimação do editor. Portanto, a não ser que você esteja cursando administração e queira localizar no ambiente de trabalho retratado no filme as teorias da psicologia, evite, e como eu, torça para que Lohan reencontre a carreira que um dia teve.

  • Daniel
    on

    Cada um tem a sua opinião mas se vc for ver o filme.
    Irá notar que a atuação dela está boa,e é verdade,o filme não tem nada demais.
    Mas é engraçado,e serve pra reflexão tb,ela foi o ícone teen,passou por um momento dificil,mas está se recuperando,a crítica foi positiva sobre o filme,comparar com BRASILEIRINHAS NÃO TEM UM PINGO DE NAÇÃO.
    Resumindo
    O FILME É BOM APESAR DE FRACO,DAR PRA DAR BOAS RISADAS DELE.
    RECOMENDO,sempre vejo.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑