O Amor Não Tem Regras (“Leatherheads”, EUA, 2008)

Genre :

[youtube pc7CgiMXHjI]

Pra quem sente saudade de produções dos anos 50, é só ir na locadora mais próxima e alugar “O Amor Não Tem regras“. E não é só porque é ambientado nessa época. Mas seu diretor e também protagonista George Clooney (“Contrato de Risco“), utilizou exatamente a mesma técnica, fotografia e trilha sonora que um dia estivera em voga, bem como um roteiro de comédia romântica muito familiar para aquele período nos EUA: num tempo em que o rugby ainda não era um esporte profissional, Clooney como um veterano num time falido, tenta ganhar uns tostões contratando um herói de guerra e ótimo jogador universitário (John Krasinski de “Licença para Casar“). Renée Zelwegger (de “Miss Potter“) é uma mulher a frente do seu tempo (e notem como o cigarro é um acessório que quer denotar isso), jornalista que tenta desmascarar o tal herói de guerra, já que fontes afirmam que ele se acorvadou.

Daí é formado um bem humorado triângulo amoroso que, apesar de clichê, conta com o carisma de seus personagens e da firme direção de Clooney para se tornar um filme acima da média. Enquanto Zelwegger segue no piloto automático, Clooney mostra a simpatia de sempre e Krasinski surpreende como o mais tridimensional personagem da trama. Destaque para a trilha sonora de Randy Newman que resgata com perfeição irretocável o clima que marcou época nos Corujões da Globo.

[rating:3.5]


Ficha Técnica

Elenco:
George Clooney
Renée Zellweger
John Krasinski
Jonathan Pryce
Peter Gerety

Direção:
George Clooney

Produção:
Grant Heslov
Casey Silver

Fotografia:
Newton Thomas Sigel

Trilha Sonora:
Randy Newman

 

1 Comment

Leave us a comment

  • Clayton
    on

    Podem bagunçar se quiser e não recomendo aos diabéticos esta água com açucar, mas como é leve e simpática esta comédia ambientada e bem, nos anos 50. Os jogos são hilários e Clooney sobra em carisma. Detalhe para a presença marcante do jogador oriundo do colegial que vem desempenhar a função de bloqueador. Sim, Zellweger está burocrática, mas tanto Clooney como os demais coadjuvantes não permitem que isto faça diferença negativamente. Vale os reais gastos na locadora e assistido a dois ganha com certeza um beijo no final.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑