Onde Vivem os Monstros (“Where the Wild Things Are”, EUA, 2009)

Genre : , ,

Há filmes que passam fortes mensagens. Entretanto às vezes elas estão tão diluídas na essência da produção que o espectador pode não querer se esforçar pra captá-la.

O ótimo ator mirim Max Records (“Vigaristas“) é uma criança de uma família de pais separados que mora com a mãe (Catherine Keener de “O Solista“) e passa por uma daquelas crises infantis onde se acha o homem da casa, quer ser o centro das atenções e se ressente da mãe começar a namorar. Sempre muito intenso, numa das visitas do namorado (Mark Ruffalo de “Redes do Crime” numa ponta de segundos), ele faz uma grande bagunça, desrespeita a mãe e ao ser repreendido, foge de casa, pegando um barquinho e navega até uma ilha com enormes criaturas. Elas fazem amizade com Max e o tornam seu rei. E é aí que ele vai descobrir que ser responsável por várias pessoas gerenciando suas emoções e egos é uma tarefa tão árdua quanto a de ser mãe ou de ser filho.

Em quesitos técnicos, a obra é uma verdadeira fábula. Sem apelar para efeitos especiais de ponta, mas de forma tão discreta que o espectador nem percebe (afinal o custo foi de R$ 80 milhões). O grande destaque vai para os bonecos animatronics, cujas expressões faciais são perfeitas e muitas vezes chegam a emocionar mais do que atores de carne e osso. A trilha sonora de Carter Burwell e Karen Orzolek (“Um Sonho Possível“) é apaixonante e faz uma diferença soberba.

Mas o principal, é claro, fica por conta da história contada por Spike Jonze, o qual consegue dirigir longas brilhantes como “Quero Ser John Malkovich” e participar de comédias besteiróis como “Jackass“. A tal mensagem profunda de “Onde Vivem os Monstros” – e aqui não estamos falando de nenhuma surpresa – é que claramente toda a aventura do protagonista se passa em sua imaginação. Todos os monstros não passam de partes de sua própria personalidade: Carol é aquele sempre preso à figura materna, no caso vivenciado pelo monstro KW e sente ciúme das corujas amigas que seriam relacionadas à figura do namorado; Judith como aquela nunca satisfeita por mais que os outros empreguem esforços pra agradá-la; Alexander como aquele que nunca é escutado, entre outros. Todos interpretados por vozes de grandes atores como Chris Cooper (“Nova York Eu Te Amo“), Forest Whitaker (“Ponto de Partida“), James Gandolfini (“Família Soprano“) só pra citar alguns. A grande sacada é que em momento algum é dito pelo roteiro é que isso está apenas na cabeça de Max.

E é justamente ver o confronto do garoto com suas próprias facetas internas é que torna a obra tão bela e significativa, mesmo que nem todos percebam sua intensidade. Chega a ser quase um tratado de terapia infantil para adultos. Pra sair emocionado.

[rating:4]


Ficha Técnica

Elenco:
Max Records
Catherine Keener
Lauren Ambrose
Catherine O’Hara
Tom Noonan
Forest Whitaker
James Gandolfini
Paul Dano
Chris Cooper
Michael Berry Jr.
Pepita Emmerichs
Mark Ruffalo

Direção:
Spike Jonze

Produção:
John B. Carls
Gary Goetzman
Tom Hanks
Vincent Landay
Maurice Sendak

Fotografia:
Lance Acord

Trilha Sonora:
Carter Burwell
Karen Orzolek

 

4 Comments

Leave us a comment

  • George Alan
    on

    É agora vejo que não posso escolher os filmes por suas críticas, dizer que uma $%¨$% dessas é um bom filmes?! vc é louco?! acho que vc assistiu muito teletabs e está com saudades!!!! #$%¨$¨%$ pura o filme, nota 0!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Remova sua crítica pois irá desagradar muita gente quando terminarem de assistir essa porcaria!!!! Falando nisso, se precisar de um crítico verdadeiro para filmes eu estou a disposição!kk

  • saullo
    on

    cara…realmente esse filme é do tipo 8 ou 80…nao se incomode com essa critica do George, ele nao entende as entre linhas..

    o filme é o MAIS PERFEITO que eu já vi, mas assumo q é aquele tipo onde vc precisa ver mais de uma vez pra poder entender os detalhes…eu já assisti 4 vezes e sempre q vejo acabou vendo coisas novas q nao havia visto anteriormente.

    todas as personalidades, as emoçoes, as descobertas…filme emocionante.

    apesar de ser um filme para se refletir (reflito sobre ele até hj), também é um filme que as crianças vao gostar, mesmo sem entender, por causa dos bonecos, meu filho que o diga.

    resumindo, se vc gosta de filmes produtivos, do tipo q ajudam no seu crescimento, q passam uma mensagem legal, entao vc vai gostar muito desse filme, mas se vc é do tipo q curte apenas filmes de efeitos, sem mensagem alguma, sem nada que realmente acrescente algo de util na sua vida, entao passe longe de “onde vivem os monstros”.

    destaque para a cena de Carol chorando…a cena final…cara….dá pra chorar junto.

    ps: relembrei minha infancia vendo esse filme.

  • saullo
    on

    ps de novo: eu daria facil as 5 estrelas

    😉

  • Zeh
    on

    Cara, o filme realmente é muito bom, muito sensível, etc. Concordo com tudo que você disse na sua crítica.

    E não liga pra reclamações de fãs de filmes de ação.
    Como um cara se oferece pra fazer uma crítica de filme, se escreve como um adolescente burro e raivoso? Não dá, né?

    Abraço

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑