A.I. – Inteligência Artificial (“Artificial Inteligence: A.I.”, EUA, 2001)

Steven Spielberg encontra Stanley Kubrick e o resultado é algo emocionalmente complexo, difícil de digerir para alguns, mas sem dúvida, um dos melhores filmes de 2001. Família com um filho há anos em coma, procura consolo ao comprar um novo protótipo de robô menino (Haley Joel Osment, saído de “Sexto Sentido“). Depois que o filho de verdade se recupera, a família passa a negligenciá-lo até abandoá-lo a sua própria sorte. Daí, este pequeno robô passará por uma jornada de auto-conhecimento para tentar achar seu criador ou ainda, uma mãe que o ame.

Uma das principais críticas usadas pelos espectadores é que o filme é tão longo que se torna cansativo. Mas como todo filme idealizado por Kubrick, o tempo de projeção é necessário. Aliás, cada minuto do filme é necessário. Algumas cenas são tão tocantes que são dignas de lágrimas. A atuação de Osment é sensacional e fundamental para a compreensão da trama, já que ele é um robô que aos poucos vai conhecendo as emoções humanas desde o amor, passando pelo medo, até o ciúme. Suas reações com as próprias descobertas são uma atração a parte.

Mesmo sendo quase um road movie futurista a partir do segundo ato, com efeitos especiais de ponta, “A.I.” investe todas as suas fichas nas emoções e nas relações humanas, principalmente, as familiares como é de praxe nos filmes de Spielberg. Seu último ato é totalmente inusitado e tem a cara de Kubirck. Quem gostar de uma odisséia de amor vai se apaixonar por mais um conto de Spielberg tão emocionamente quanto “E.T. – O Extra Terrestre“.

[rating:4.5]


Ficha Técnica

Elenco:
Haley Joel Osment
Jude Law
Frances O’Connor
Jake Thomas
Sam Robards
William Hurt
Jack Angel
Ben Kingsley
Chris Rock
Meryl Streep
Robin Williams

Direção:
Steven Spielberg

Produção:
Bonnie Curtis

Fotografia:
Janusz Kaminski

Trilha Sonora:
John Williams

 

1 Comment

Leave us a comment

  • curare
    on

    Comentar o quê? O Sr. estraga prazeres falou tudo! Mas eu daria 4 estrelas pois realmente o filme nos induz a manemolência. Sabe até pensei em ver de novo, mas ai bate uma preguiça.
    Curare.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑