Amor à Distância (“Going the Distance”, EUA, 2010)

Genre : , ,

Alguns artistas de Hollywood tem que fazer o que sabe melhor. No caso de Drew Barrymore (˜Estão Todos Bem”), com certeza é comédia romântica. E faz com seu namorado na vida real Justin Long (“Além.da.Vida”) um tratado sobre relacionamentos à distância. Mas tudo é feito como nos enlatados americanos.

Eles formam um casal que vivem um romance sem compromisso, mas na hora em que devem se separar (ela vai para outra cidade), eles começam a querer ficar mais juntos um do outro e estabelecem uma relação cheio de dúvidas e inseguranças. A produção segue à risca a cartilha de clichês de Hollywood e com isso se tem piadas similares a qualquer outro exemplar, os coadjuvantes fazendo os alívios cômicos de sempre, sendo as bolas da vez Christina Applegate (“O Roqueiro”), o engraçadíssimo e relativamente desconhecido Charlie Day, entre outros. Algumas cenas são hilárias como a deles fazendo amor na sala da irmã, sendo talvez a grande fonte de piadas do resto do filme.

Fora isso “Amor à Distância”ganha pelo carisma da dupla de protagonista, os quais conseguem tornar o filme aquele adjetivo “bonitinho” comum no público feminino. E elas estão certas. É o mesmo com uma dose de fofura extra.

[rating:3]


Ficha Técnica

Elenco:
Drew Barrymore
Justin Long
Charlie Day
Jason Sudeikis
Christina Applegate
Ron Livingston

Direção:
Nanette Burstein

Produção:
Adam Shankman
Jennifer Gibgot
Garrett Grant

Fotografia:
Eric Steelberg

Trilha Sonora:
Mychael Danna

 

1 Comment

Leave us a comment

  • Clayton
    on

    Confesso que fiquei fã deste filme, talvez por gostar do trabalho do casal de atores, Drew Barrymore e Justin Long, que por sinal o são tanto no filme como na vida real (ou eram, em Hollywood tudo é muito rápido). A química fora das telas transparece pra dentro da película o que aliado ao carisma natural dos dois contribui para que o filme realmente seja de diálogos bem sintonizados. Embora tenha uma série de clichês, pelo menos uma novidade trouxe ao filme, a cena da mesa, esta é impagável e sozinha já vale a locação. Menção honrosa para Charlie Day que não deixa de fazer rir em uma cena sequer. De resto é inofensivo feito homeopatia, mas como a mulher achou “fofo”… Indicado para casais.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑