Guardiões da Galáxia Vol. 2 (“Guardians of the Galaxy Vol. 2”)

Geralmente a gente pensa que uma continuação de um filme desse calibre precisa ser mais épica e com mais conexões ainda com o mundo Marvel para ser bom. A surpresa – e boa por sinal – é que o diretor James Gunn tomou o rumo contrário: fez um filme muito mais intimista, centrado nos laços entre os personagens e que se distancia bastante do universo dos Vingadores (no primeiro ainda vimos as joias do infinito). Por outro lado, responde todas as perguntas pendentes do seu antecessor sem deixar dúvidas.

O que era pra ser um trabalho de rotina – e a genial abertura consegue mostrar a ação mais como coadjuvante já dando o tom do resto da narrativa – se transforma num pesadelo quando o surtado Rocket rouba as baterias dos Soberanos, que os contrataram para que ninguém as roubasse e daí começa uma perseguição que culmina no encontro de Peter e seu pai (Kurt Russell da saga “Velozes e Furiosos”), um Celestial e a partir daí que a trama se desenvolve, com os nossos heróis sendo perseguidos por Nebula, os saqueadores e os Soberanos.

A grande sacada da produção é que ela não deixa de ser grandiosa, mas todos os personagens sem exceção são desenvolvidos num nível em que os deixa mais próximos do espectador, inclusive vilões (ou pseudo vilões) como Nebula e Yondu, os quais talvez pela sua natureza sejam os mais interessantes. E claro, a reviravolta do passado de Peter (ou Starlord) é ao mesmo tempo emocionante e intensa.

O contraponto é que o humor aqui é muito mais pronunciado e não só passa por diálogos inteligentes como até gags físicas acertadíssimas, como por exemplo – para citar apenas uma – a cena em que a rainha dos Soberanos (Elizabeth Debicki de “Evereste”) anda por um tapete azul que trava no meio do caminho. Além disso, conhecemos uma série de personagens que, se no filme parecem não ter muita relevância (por enquanto), nos quadrinhos são de suma importância. E claro, tem o Baby Groot que rouba todas as cenas e deixa o filme muito mais fofo. Impossível qualquer filme ser ruim com o Baby Groot.

E pra quem gosta de cenas após os créditos, o filme nos brinda com nada menos que cinco cenas e mais uma participação hilária do mestre Stan Lee, a cara, corpo e alma da Marvel (por sinal, os créditos finais em si são uma atração à parte).

Finalmente, se há um destaque óbvio, é o da trilha sonora e das referências dos anos 80: se na parte musical somos brindados com clássicos de Cat Stevens, Electric Light Orchestra, Fleetwood Mac, George Harrison, entre outros, as referências vão desde o icônico David Hasselhoff e sua Super Máquina, o qual parece ter virado um meme universal, e até o jogo Pac Man e o falido Zune dão as caras, além de um Sylvester Stallone que parece ter saído dos sets de “Judge Dredd”.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 é surpreendentemente bom, mistura o dramático com um humor escrachado sem nunca perder a mão, nunca se furta de ótimas cenas de ação, tem efeitos especiais de cair o queixo, um elenco com um carisma do tamanho do universo, expande-se e abre várias portas para sua próxima continuação sem se meter (por enquanto novamente) com o resto do mundo Marvel.

Curiosidades:

– No primeiro filme Vin Diesel apenas dublou Groot. Neste, além de dublar, ele também fez toda a parte de captura de movimentos.
– Sean Gunn, irmão do diretor James Gunn é o assistente principal da tripulação de Yondu e também foi ele que fez toda a captura de movimentos de Rocket, enquanto Bradley Cooper foi o dublador.
– Repare que nos créditos finais, vários nomes começam com “I am Groot” e depois se transformam do crédito correto.
– Também nos créditos eles terminam com “Nenhum guaxinim ou árvore foi ferido durante as gravações. O mesmo não pode ser dito dos cuidadores dos guaxinins e árvores”, numa mensão engraçada a Rocket e Groot.
– O primeiro cartaz do filme é uma homenagem ao álbum do Ramones, Rocket to Russia, lançado em 1977. Veja só:

SPOILERS (a partir daqui, só leia se já viu o filme)

– No funeral, Starhawk (ou Água Estrelar, interpretado por Stallone) se junta com amigos de longa data e partem para novas aventuras. Todos eles nos quadrinhos, incluindo Yondu faziam parte da primeira formação de Os Guardiões da Galáxia antes de se transformarem em saqueadores e daí os guardiões terem a formação atual.
– Também no funeral aparece um alienígena que no futuro (nos quadrinhos) será discípulo do Dr. Estranho.
– Numa cena pós créditos, a rainha dos Soberanos diz que está desenvolvendo um ser ainda mais evoluído que eles para caçar e destruir os Guardiões da Galáxia e dá o nome pra ele de Adam (Adão, olha a referência). Só que este ser será Adam Warlock, uma entidade cósmica muito poderosa que nos quadrinhos já chegou a travar lutas inclusive com os Vingadores.
– Nos créditos finais é possível ver rapidamente o personagem de Jeff Goldblum, Grande Mestre, que vai aparecer em Thor: Ragnarok.
– Ah, o pato Howard também aparece novamente no final dos créditos.

Ficha Técnica

Elenco:
Chris Pratt
Zoe Saldana
Dave Bautista
Vin Diesel
Bradley Cooper
Michael Rooker
Karen Gillan
Pom Klementieff
Sylvester Stallone
Kurt Russell
Elizabeth Debicki
Chris Sullivan
Sean Gunn
Tommy Flanagan
Laura Haddock
Ving Rhames
Michael Rosenbaum
Michelle Yeoh

Direção:
James Gunn

Produção:
Kevin Feige

Fotografia:
Henry Braham

Trilha Sonora:
Tyler Bates

 

No Comments

Leave us a comment

No comment posted yet.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑