Ninfomaníaca – Volume I (“Nymphomaniac”)

Mais um dos filmes do polêmico Lars Von Trier que representa muito mais do que mostra. Renovando sua parceria com a atriz Charlotte Gainsbourg depois de “Anticristo” e “Melancolia”, ele fecha o que ele chamou de Trilogia da Depressão com uma obra emblemática sobre uma mulher, Joe (Gainsbourg) que usa o sexo para dar sentido à própria existência.

Tudo começa quando ela é resgatada da sarjeta pelo aparentemente gentil senhor Seligman (Stellan Skarsgård de “Thor – O Mundo Sombrio”) após ela ter sido possivelmente agredida. Cuidando dela em casa, Joe passa a contar a sua história e do porque ela se acha uma pessoa má que usa o sexo indiscriminadamente para satisfação própria mesmo que isso signifique a destruição emocional das pessoas à sua volta.

A direção, fotografia e linguagem que Von Trier e seu parceiro, o diretor de fotografia chileno Manuel Alberto Claro criam é irretocável: desde o início onde imagem e som se fundem e se revelam gradativamente até o corpo torpo de Joe, bem como as diferentes lentes e cores para cada capítulo da trama, até as geniais mudanças de foco como na cena em que uma gota escorre pela perna de uma personagem enquanto outro está morrendo numa cama. Isso sem contar as criativas intervenções para marcar determinadas palavras como na sequencia do “3+5” ou a divisão da tela em três partes que traz uma analogia entre a composição de uma música num órgão e os parceiros sexuais da protagonista.

E é justamente esse um exemplo do grande mérito de “Ninfomaníaca”: as analogias da vida com outras situações aparentemente sem nexo, como as técnicas de pescaria com as maneiras de se “pescar” um homem ou como a sequencia de Fibonacci (caso você não saiba o que é, clique aqui) se aplica nos mais inusitados momentos. Acaba sendo um ótimo exercício cerebral e instrumento narrativo que vai muito além das sequencias eróticas, as quais por sua vez são muito bem filmadas e se tornam ainda mais interessantes pela belíssima atriz estreante Stacy Martin que faz o papel de Joe quando jovem. Sua caracterização que numa visão desatenta pode parecer inexpressiva, por outro lado, indica a profunda indiferença que a protagonista tem por todos a sua volta, os quais são meros coadjuvantes para satisfazer seu egocentrismo sexual.

Pra quem pensa que fazer parte da trilogia da depressão faz com que automaticamente a produção seja triste, muito se engana, pois o diretor conseguiu em muitos momentos dar uma aura de bom humor, sendo o principal exemplo a impagável cena onde uma esposa descobre a traição do marido com Joe. E essa esposa é ninguém menos que Uma Thurman (“Como Ganhar Seu Coração”) que toma toda a cena para si com um timing cômico e dramático que apenas grandes artistas podem desempenhar.

Ninfomaníaca” é um tratado sobre a personalidade humana, um confronto entre os bastidores da alma com o que se externa para sociedade, numa narrativa que funde o duro com o belo, onde o sexo vira metalinguagem para a arte. Imperdível para cinéfilos.

Ficha Técnica

Elenco:
Charlotte Gainsbourg
Stellan Skarsgård
Stacy Martin
Shia LaBeouf
Christian Slater
Jamie Bell
Uma Thurman
Willem Dafoe
Mia Goth
Sophie Kennedy Clark
Connie Nielsen
Michael Pas
Jean-Marc Barr
Udo Kier
Maja Arsovic
Hugo Speer
Christian Gade Bjerrum

Direção:
Lars von Trier

Produção:
Louise Vesth

Fotografia:
Manuel Alberto Claro

 

No Comments

Leave us a comment

No comment posted yet.

Leave a Comment

↑ BACK TO THE TOP ↑